Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Coisas que me tiram do sério

Aqui vão poder ler desabafos, asneiras, e muita, muita opinião sobre coisas que me tiram do sério!

Coisas que me tiram do sério

Aqui vão poder ler desabafos, asneiras, e muita, muita opinião sobre coisas que me tiram do sério!

Pessoas que têm tiques nervosos sonoros.  Uma coisa é estar a falar com alguém que tem um toque nervoso como pestanejar, ou mexer no cabelo, ou ainda brincar com canetas, só para citar alguns exemplos. Se isto nos incomoda, basta não olhar para a pessoa e o incómodo desaparece. É claro que se estivermos a falar com alguém e estivermos de costas voltadas não é muito simpático. Mas comparemos com um toque nervoso sonoro. Aí complica. Como é que não ouvimos alguém que está (...)
Pessoas que andam aos ziguezagues na rua. Acontece com demasiada frequência eu ir a andar na rua, com alguma pressa (vicissitudes de ter um relógio), e ter pessoas que se atravessam à minha frente. Às vezes aparecem da direita, e eu até estava a ultrapassar pela esquerda, outras vezes aparecem pela esquerda e quase me pisam, outras ainda quase provocam um choque frontal.  Também sou vítima do fenómeno do telemóvel na mão enquanto ando na rua, mas até me gabo de ter alguma (...)
O famoso "click-bait" ou a arte de intrujar o cibernauta a clicar em qualquer coisa que não tem nada a ver com o que apregoa. Na semana passada escrevi um pequeno post sobre a normalização dos comentários de potencial índole xenófoba, que mereceu um destaque pelo sapo. (Antes de me alongar, obrigada à equipa que escolheu o meu post naquele dia.) Começou imediatamente a receber visualizações, que se traduziram em alguns comentários, uns mais inteligentes que outros. Quando dei (...)
O insulto fácil, ou o extremar de opiniões. Há dois dias escrevi um post sobre esta coisa da normalização da xenofobia. Acho que 2/3, para ser generosa, das pessoas que leram o que escrevi, não perceberam que não me posiciono nem à esquerda nem à direita nesta discussão. Faz-me espécie a facilidade com que se insultam as pessoas só porque são diferentes. Ponto. Não estou a tentar ser politicamente correcta, nem a defender a ideologia a, b ou c. A frase "no meio é que está (...)
Tentar manter o fio à meada numa troca de argumentos. Começamos bem encaminhados, com um raciocínio lógico, ponderado, coerente. Quando chega a vez de alguém contra-argumentar, acontece por vezes que esse alguém pega num argumento, tira-o do contexto em que se insere, e de repente, damos por nós a tentar desesperadamente voltar ao início da conversa, em que sabíamos com toda a convicção qual era a ideia que queríamos transmitir. Não dá para trocar argumentos com gente (...)
Todo este blog é dedicado a coisas que me irritam, que podem variar de merdices do dia-a-dia, como o raio das velhas aos berros nos autocarros, como a coisas de maior importância. Desta vez fiquei verdadeiramente irritada com pessoas que decidiram comentar a infeliz resposta de André Ventura à proposta de Joacine. A xenofobia é um assunto sério. Não pode ser usado com a ligeireza com que foi usado pelo deputado, à laia de piada como resposta a uma proposta que pode ser adjectivada (...)
Erros ortográficos. Ninguém é perfeito, e estamos todos sujeitos a cometer uma calinada, a dar um pontapé na gramática, de vez em quando. Agora, erros por sistema, em que se nota claramente que as pessoas não sabem o que estão a escrever, sugam-me a vontade de viver. Já vi erros de toda a espécie - o famoso há sem h, á em vez de à (inclusivé em jornais e publicidade!!), fassa em vez de faça, enfim, uma infinidade de barbaridades - e raramente me consigo impedir de ficar com (...)
A falta de higiene do espirro. Nos tempos que correm, isto é coisa que não faz muito sentido, mas não faltam por aí pessoas que espirram para o ar, sem pôr um lenço, ou um bracinho à frente. Não cabe na cabeça de ninguém, novo ou velho (já presenciei ambos), não tapar a cascada de perdigotos e outras substâncias menos fluídas que saem da boca e mesmo do nariz na hora de soltar aquele espirro maquiavélico. Gente, eu não quero ficar doente à vossa conta. Façam o favor de (...)
Estar na rua, parada ou a andar, e dar-me conta que há alguém perto de mim que cospe para o chão. Já é mau cuspir para o chão uma vez, mas agora parece que há uma moda, especialmente entre os mais jovens e fumadores, de cuspir para o chão de 3 em 3 segundos. Em primeiro lugar, esta gente deve andar toda desidratada, e devem andar com dores de cabeça e nem sabem porquê. Em segundo, se não gostam do sabor com que ficam na boca depois de chupar num cigarro, há duas opções, que (...)